(11) 94570-7451 (11) 97367-7711 (11) 98592-6308

DÚVIDAS

BIOPLASTIA DE GLANDE (AUMENTO DE GLANDE)

 

• Com o tempo é preciso refazer a Bioplastia da Glande?


O resultado da aplicação dura aproximadamente 1 ano, pois com o tempo o produto é absorvido pelo corpo. Não interfere na sensação de prazer ou ereção.



• Como funciona o Aumento da Glande?


A Bioplastia ou Biomodulação é a aplicação de um produto bioexpansor compatível ao corpo humano que não é tóxica e não causa alergia nem rejeição. Pode-se realizar a bioplastia para Aumentar a Glande - cabeça do pênis. Esse procedimento é realizado sob anestesia local, complementando os resultados obtidos pela cirurgia de engrossamento peniano e/ou aumento do pênis, melhorando a estética peniana, fazendo parte do processo de Reconstrução Genital Masculina.



• Qual o produto utilizado?


Na Bioplastia da Glande é utilizado o Ácido Hialurônico.

BIOPLASTIA PENIANA (ENGROSSAMENTO PENIANO)

 

• A Bioplastia Peniana precisa ser refeita depois de certo tempo?


Na Bioplastia Peniana com o metacril o produto é aplicado acima do músculo, abaixo da pele e não é absorvido pelo organismo, por isso não necessita de novas aplicações. Na aplicação do Macrolane o produto é absorvido pelo organismo entre 10 a 12 meses, sendo necessária uma nova aplicação para manter os resultados do engrossamento peniano.

 


• A Bioplastia Peniana tem alguma contra-indicação?


Se a pessoa for alérgica ao produto utilizado, deverá ser usado produto substituto (Macrolane) ou caso tenha a pele que cobre a glande (prepúcio) será necessária sua remoção - postectomia, aguardar a cicatrização (cerca de 20 dias), para depois fazer a Bioplastia Peniana.

 


• A ereção ficará comprometida?


O procedimento não altera a ereção ou sensibilidade.

 


• Além desse aumento é possível aumentar mais?


Depende muito de cada caso, se o paciente desejar aumentar mais terá que passar por nova analise com o profissional para avaliar a viabilidade.

 


• Após a Bioplastia a sensibilidade no pênis tem alguma alteração?


Não. Após a Bioplastia Peniana a sensibilidade do pênis e a sensação de prazer permanecerá a mesma.

 


• Após a Bioplastia Peniana angulação do pênis muda?


É importante lembrar que a bioplastia peniana não afetará a angulação do pênis que permanecerá a mesma.

 


• Após a Bioplastia vou sentir o pênis mais pesado?


Não. Vai sentir o pênis maior.

 


• Como funciona a Bioplastia Peniana (Aumento da Circunferência Peniana)?


A Bioplastia Peniana ou engrossamento peniano é um procedimento que traz muita satisfação, tanto para o homem, quanto para sua parceira, pois um pênis mais grosso leva a um maior preenchimento do canal vaginal e maior atrito e ativação dos receptores sensoriais que se encontram ao redor do canal vaginal e da glande. A Bioplastia Peniana é um procedimento ambulatorial, realizado na própria clínica, com duração média de cerca de 30 minutos.

 


• Esse procedimento é feito na clínica ou em hospital?


A Bioplastia Peniana (Penisplastia de Alargamento) é um procedimento ambulatorial e pode ser feito na própria clínica.

 


• É possível fazer a postectomia e a bioplastia no mesmo dia?


Não. Após a realização da postectomia é necessário aguardar cerca de 15 dias para depois fazer a Bioplastia Peniana.

 


• É possível retirar o produto depois de aplicado?


A Biomodulação ou Bioplastia é uma técnica definitiva, para ser retirado o produto é necessário cirurgia em ambiente hospitalar, por isso é imprescindível escolher um profissional de confiança e experiente nesse tipo de procedimento.

 


• É preciso fazer algum exame antes?


Desde que na consulta não seja constatado impedimentos clínicos é possível realizar a Bioplastia Peniana.

 


• Mesmo tendo pouca pele sobre a glande, ainda assim preciso fazer a postectomia?


Nesse caso, deve ser avaliado pelo médico antes do procedimento.

 


• No caso, se realizar mais de um procedimento existe desconto?


Os valores para mais de um procedimento devem serão resolvidos diretamente com o profissional responsável no ato da consulta.

 


• O aumento do pênis é visível na hora?


O resultado já fica em evidência no dia da aplicação e pode ocorrer um aumento maior nas próximas três semanas.

 


• O aumento na circunferência pode ser visto no pênis tanto ereto quanto flácido?


Sim, poderá ser vista a diferença na grossura do pênis. 

 


• O pênis fica com uma aparecia diferente após a Bioplastia?


Sim, ele ficará mais grosso, porém com a mesma naturalidade de antes, sem ser perceptível a outras pessoas.

 


• Por que não pode haver pele cobrindo a glande (prepúcio)?


Porque o produto bioexpansor pode se acumular na região, causando uma reação indesejada e inestética.

 


• Posso fazer a aplicação no dia da consulta?


Desde que o paciente já tenha removido o prepúcio cirurgicamente (postectomia), é possível.

 


• Quais são os riscos na Bioplastia Peniana?


O risco da Bioplastia Peniana, como em qualquer outro procedimento de Biomodulação corporal, é a alergia ao produto bioexpansor, porém, antes de qualquer aplicação é realizado o exame para testar a reação ao produto. É importante também que seja respeitado o resguardo sexual para que o procedimento tenha o efeito esperado.

 


• Qual a forma de pagamento?


As formas de pagamento podem ser resolvidas diretamente com o profissional em consulta.

 


• Qual é o ganho real com a Bioplastia Peniana?


O aumento da circunferência do pênis (engrossamento peniano) pode variar conforme cada caso e

 


• Qual o produto utilizado na Bioplastia Peniana?


Existem dois tipos de produto a serem utilizados na Bioplastia Peniana - o PMMA (metacrilato/ metacril) ou Macrolane, ambos bioexpansores. Os produtos que utilizamos possuem aprovação da ANVISA, data de validade e origem, o que garante sua qualidade e procedência.

 


• Qual o tempo de resguardo sexual?


O resguardo sexual após o procedimento é de 7 dias, incluindo o ato da masturbação.

 


• Qual o valor da Bioplastia Peniana?


Os valores variam de acordo com o tipo e a quantidade de produto utilizado na aplicação.

 


• Quanto tempo demora a Bioplastia Peniana?


A Bioplastia Peniana demora em média de 30 a 40 minutos.

 


• Que tipo de anestesia é utilizada?


A Bioplastia Peniana ou Penisplastia de Alargamento, é um procedimento ambulatorial com anestesia local.

FALOPLASTIA (AUMENTO PENIANO)

 

• A cirurgia é realizada na própria clínica ou em hospital?

 

A Faloplastia (Aumento Peniano) é um procedimento realizado em um Centro Cirúrgico.

 


• A Faloplastia deixa cicatriz ou marca muito aparente?


Deixa uma pequena cicatriz (de 3 a 5 cm) que não fica aparente, pois ficará na região pubiana onde irão crescer pelos. Ou seja, o pênis ficará naturalmente maior, sem ser perceptível a outras pessoas que houve uma alteração no local.

 


• Existe algum problema em fazer a Bioplastia Peniana (engrossamento peniano) antes da Faloplastia?


Não, nenhum problema.

 


• É preciso ficar em repouso após a Cirurgia de Aumento do Pênis?


Após a cirurgia de Aumento do Pênis o paciente necessita de observação médica por até 6 horas para então receber alta e voltar para casa.


 
• No caso, se realizar mais de um procedimento existe desconto?


Valores para mais de um procedimento devem ser resolvidos diretamente com o profissional responsável no ato da consulta.

 


• O aparelho extensor peniano é pago?


O aparelho é fornecido ao paciente sem custo.

 


• O aparelho extensor peniano incomoda?


Normalmente necessita-se de um tempo para adaptação ao uso do extensor peniano, por ser discreto, pode ser usado no dia-a-dia.

 


• O aumento peniano é tanto ereto quanto flácido?


Sim, em ambos os estados, podendo ser mais perceptível em um do que no outro.

 


• O que é Faloplastia?


A Faloplastia ou Penisplastia de Alongamento (Aumento de Pênis), consiste na secção dos ligamentos que unem a parte interna do pênis ao osso pubiano. Para melhor entendimento deve-se saber que o pênis não possui somente a parte externa, mas uma continuidade interna ao corpo de 7 a 10 cm chamada de crua, que está ligada através destes ligamentos ao osso pubiano, embutida dentro da região pélvica. Cortando-se esse ligamento, observa-se um aumento na porção externa do pênis: aumento do pênis.

 

 

• Pós Operatório Aumento Peniano

 

Pós operatório Aumento Peniano


• Porque preciso usar o aparelho extensor após a cirurgia de aumento peniano?


Todo o processo de cicatrização tende a se retrair devido ao que os médicos chamam de cicatriz retrátil. Se não houver a complementação do tratamento pela fisioterapia - uso do aparelho extensor peniano, o pênis poderá ficar até menor do que era antes. O resultado final da Faloplastia só será alcançado após 2 a 8 meses da cirurgia com o uso de extensor peniano 8 horas por dia.

 


• Quais exames são necessários antes da cirurgia de aumento peniano?


Habitualmente são pedidos os exames:

 

- Hemograma completo;

- Coagulograma;
- Risco cirúrgico;
- Glicemia.


Exames comuns a qualquer procedimento cirúrgico.

 


• Quais os riscos da Faloplastia?


O fundamental é o entendimento de que a Faloplastia é o primeiro passo dentro de um processo (Reconstrução Genital), onde o essencial é a fisioterapia - uso do aparelho extensor peniano. A função básica da secção dos ligamentos é potencializar o uso da fisioterapia.

 


• Qual a forma de pagamento do procedimento?


As formas de pagamento podem ser verificadas junto ao profissional em consulta.

 


• Qual é o tempo de resguardo sexual após a cirurgia de aumento peniano?


Deve haver um resguardo de relação sexual e de masturbação por aproximadamente 30 dias.

 


• Qual o tamanho do corte para Faloplastia?


O corte é de aproximadamente de 3 a 5 centímetros na região pubiana verticalmente.

 


• Qual o tipo de anestesia utilizada na Faloplastia?


A anestesia é local, para que possa ser feita uma pequena incisão, pouco acima da base do pênis, na região pubiana. Caso o paciente desejar pode ser sedado durante o procedimento.

 


• Quanto tempo demora a Faloplastia?


A Faloplastia demora em média 60 minutos e o paciente poderá ficar em observação por até 6 horas.

 


• Quanto tempo depois da cirurgia é possível voltar a trabalhar?


Logo após a cirurgia já é possível retornar a rotina normal.

 


• Quanto tempo é preciso esperar entre a Faloplastia (aumento peniano) e a Bioplastia Peniana (engrossamento peniano)?


Este ponto varia de paciente para paciente, em raros casos pode-se fazer os dois procedimentos juntos. Dependerá da avaliação do especialista na hora da consulta. 

MEDICINA ESTÉTICA

 

• A Clínica tem cobertura de seguros e convênios médicos?


Não fazemos parte da listagem de nenhum convênio ou seguro-saúde, pois os convênios não cobrem nenhum procedimento que seja considerado apenas estético.

 


• Cirurgia Estética é supérflua?


Você, como qualquer pessoa, já deve ter notado algum detalhe no seu corpo que causa algum incômodo. O seu aspecto físico, ou seja, por características genéticas ou outros fatores, podem levar a problemas que afetam seu bem-estar psicológico e social.

 

Nem sempre isto é compreendido por outras pessoas. Nossa família e amigos tendem sempre a achar que tudo esta ótimo. Mas é você, e só você, quem sabe o quanto alguma coisa no seu corpo pode incomodar.

 

O que talvez você não saiba é que a ONU (Organização das Nações Unidas), através de seu órgão que trata dos aspectos da Saúde, a OMS (Organização Mundial de Saúde) também concorda. Ela define o conceito de "saúde plena" da seguinte forma: 

 

"Saúde plena é o bem-estar físico e psicológico do ser humano"

 

E é justamente aí que a Clinica Dantas pode ajudar, integrando seu corpo à sua mente e reafirmando sua auto-estima. Por isto, buscar soluções para seus desconfortos físicos estéticos - sem exageros - faz parte da busca da sua totalidade como ser humano e da sua adaptação ao seu meio social. 

 


• Como é o período de recuperação?


A recuperação de uma cirurgia ou procedimento depende basicamente do tipo de operação e da reação do organismo. Inchaço, dor, hematomas, o aspecto visual inicial e cicatrizes variam dependendo do tipo de cirurgia, do procedimento, e de cada pessoa.

 

Cada paciente tem necessidades e expectativas próprias nesse sentido. Alguns, mesmo com hematomas, podem retornar ao trabalho, outros precisam estar com a aparência perfeita para poder aparecer em público.

 

Portanto, ao invés de uma "tabela geral", a melhor forma de fazer seu planejamento é perguntar ao seu médico tudo aquilo que é importante para você decidir qual a melhor época para sua cirurgia.

 



• Em relação às cicatrizes?


Para a correção de um problema estético, na maioria das vezes o preço a ser pago é trocar uma forma desconfortável por algum tipo de cicatriz. As cirurgias são feitas procurando deixar cicatrizes nos locais menos visíveis, com o menor tamanho possível e com técnicas que permitam serem o mais imperceptíveis.
 
Ainda que com o uso da melhor técnica cirúrgica possível pelo cirurgião, a reação do organismo é variável além de algumas vezes imprevisível e depende muito do respeito aos cuidados pós-operatórios recomendados em cada caso.

 



• Facilidades ao seu dispor


Caso você deseje ou necessite, peça informação a respeito de:

 

Transporte - Para seu maior conforto e segurança, serviços diferenciados de transporte entre aeroportos, hotéis, etc. até o consultório ou hospitais, e após a cirurgia para seu local de recuperação podem ser disponibilizados.

 

Hospedagem - Se você estiver vindo de outras localidades, próximo aos consultórios existe grandes redes hoteleiras, com inúmeras opções de acomodação, desde flats a hotéis, com diversas categorias de serviços e preços.

 

Suporte domiciliar após cirurgia - Se você necessitar ou desejar a presença de uma profissional de enfermagem no seu período inicial de recuperação após a saída do Hospital, para auxílio em diversas tarefas, tais como banhos, curativos, vestimenta de malhas cirúrgicas ou outros serviços, solicite antecipadamente.

 

O aeroporto mais próximo à Clínica é o Aeroporto de Congonhas (CGH).

 



• Marque sua consulta


Para agendar uma consulta ligue para um dos telefones 011 94570 7451 ou whatsapp 011 97367 7711 e 11 98592 6308 de segunda à sexta-feira, das 8 horas da manhã às 18 horas da tarde. Você será atendido por um de nossos colaboradores que terão o maior prazer em ajudar. Se preferir, solicite um agendamento de consulta por e-mail, pelo email contatoclinicadantas@gmail.com, com pelo menos 5 dias de antecedência.

 

Caso você necessite de atendimento diferenciado em relação às datas e horários de consulta ou mesmo de atendimento com maior urgência, exponha sua necessidade e faremos o máximo esforço para atendê-lo.

 



• O que esperar em termos de resultado?


Nenhum médico tem o poder de afirmar, com certeza, como serão os resultados. O que existe é uma previsão esperada dentro da normalidade. A Medicina não é uma ciência exata e está sujeita a diversos fatores aleatórios. Um médico não pode garantir que a cicatriz será perfeita ou que a reação do seu organismo será a esperada.

 

Porém, é possível a uma equipe bem-formada, honesta, ética e experiente fornecer margens realistas do que é possível atingir como resultado em cada caso, ainda que fatores que fogem do controle do profissional possam influenciar positiva ou negativamente. Leve sempre isto em consideração ao decidir-se por um procedimento, para que sua expectativa seja real, e não ilusória.

 

Desconfie, inclusive, de quaisquer promessas de resultados rápidos, perfeitos ou de quem promete resultados que apenas ele que pode oferecer. Na dúvida, ouça mais opiniões, essa é a maior garantia de que você terá um resultado dentro do que foi previamente informado.

 



• Onde fica a Clínica?


Estamos localizados na Avenida Nove de Julho, 5624 - 7º Andar, Itaim Bibi, São Paulo - Capital. 

 


• Por que a consulta deve ser paga com antecedência?


O valor deverá ser pago via depósito ou transferência bancária, no máximo 2 dias úteis antes da consulta. Esta política de pagamento antecipado se faz necessária, devido ao profissional prestar um atendimento especializado e necessitar garantir tanto seu próprio horário da agenda quanto do atendimento do paciente.

 

Porém, o paciente tem direito a retorno, mesmo antes de passar por qualquer procedimento, para que possa ser esclarecida qualquer dúvida. O paciente pode marcar quantos retornos forem necessários até 30 (trinta) dias após a consulta ou procedimento.

 



• Prepare-se para consulta


Todos nós temos expectativas quando procuramos um profissional médico. Por isto, aproveite ao máximo sua consulta. Fale francamente com seu médico, tire suas dúvidas, exponha exatamente seus desejos e preocupações. Assim você poderá receber as informações necessárias para tomar uma decisão consciente. Se achar necessário, leve suas dúvidas anotadas para não esquecer nada que possa ser importante.

 

Não se esqueça também de relatar a ele outras cirurgias já realizadas, alergias, problemas de saúde, medicações e drogas que você utiliza ou utilizou e doenças que eventualmente você teve ou tem, além de consultas a outros profissionais - médicos ou não -, que possam ter sugerido outras soluções.

 

Caberá ao médico fazer uma avaliação detalhada, explicar todas as possibilidades assim como quaisquer limitações técnicas em relação ao seu desejo. Após a consulta, não tenha pressa em decidir. Leve o tempo que for necessário, tenha a certeza de ter todas as suas dúvidas respondidas antes de tomar uma decisão.

 


• Quais os riscos de um procedimento estético?


Todo procedimento, cirúrgico ou ambulatorial, pode ter riscos como em qualquer outra área médica. Porém, é considerado de baixo risco, por dois motivos básicos: é uma modalidade considerada eletiva, ou seja, sem urgência. Permite que os pacientes sejam avaliados e selecionados de forma criteriosa antes que qualquer procedimento seja realizado.

 

Qualquer médico responsável e consciente pode e deve recusar pacientes de alto risco, ou que não estejam, no momento, em condições necessárias de saúde. Esta segurança também aumenta quando o médico se recusa a realizar vários procedimentos ao mesmo tempo, mesmo que para você possa parecer mais prático ou simples, caso isto possa significar riscos aumentados que não valem à pena.

 



• Quais são os exames pré-operatórios necessários?


Na maioria dos casos, apenas os exames básicos e os dados relatados por você na consulta são suficientes para avaliar suas condições clínicas para a cirurgias ou procedimentos.

 

Porém, sempre que necessário, dependendo de cada procedimento e de cada paciente, diferentes tipos de avaliação serão solicitadas. Muitas vezes, se você está sendo acompanhado por outro médico, será solicitado que ele autorize sua cirurgia. Outras vezes, a Clínica o encaminhará ao médico de sua confiança especializado na avaliação do risco cirúrgico em questão.

 

Mesmo que isto represente maior tempo entre a consulta e a cirurgia, você deve estar certo que quaisquer avaliações extras estarão sempre baseadas no princípio de fazer com que o seu procedimento seja o mais seguro possível.

 

Lembre-se, porém, que mesmo estando num momento em que suas condições clínicas não sejam adequadas, o tratamento poderá ser realizado no futuro, quando os empecilhos tenham sido superados.

 



• Qual a forma de pagamento dos procedimentos?


As formas de pagamento podem ser verificadas junto ao profissional no ato da consulta.

 



• Quando chega o resultado definitivo?


Depois de um procedimento médico, existe uma expectativa natural pelos resultados. Você se olha no espelho sempre que possível, as pessoas próximas a você ficam te cobrando. Mas este procedimento não é mágica, e sim Medicina. 


 
Portanto, existe sempre um período de recuperação, variável dependendo do tipo de cirurgia e da capacidade do seu organismo de se recuperar que pode variar de semanas a meses. Por isto, o resultado final não é instantâneo e este tempo necessário pode até ser longo, apesar da sua vontade natural de que tudo fique ótimo rapidamente. É muito importante que você esteja preparado para lidar com esta situação.

 



• Quando procurar um médico?


Você pode achar que a consulta com um médico deve ser feita somente depois que outras alternativas não deram o resultado esperado. Existem também pessoas que sofrem durante longos períodos com problemas físicos de solução até simples, mas relutam ou demoram a procurar ajuda médica, por medo ou inibição.

 

Porém, um especialista tem a formação médica e científica para, com critério e profissionalismo, dar sua visão sobre o melhor tratamento para seu problema. Por isso, uma consulta com um profissional da área pode evitar perda de tempo, dinheiro e, principalmente expectativas frustradas ou o prolongamento do convívio com complexos cuja solução pode ser mais simples do que você pode imaginar.

POSTECTOMIA (CIRCUNCISÃO OU FIMOSE)

 

• A Postectomia é feita na clinica ou em um hospital?

 

Por ser um procedimento ambulatorial pode ser realizado na própria clinica.

 


• Após a Postectomia é preciso fazer resguardo sexual?


O tempo de resguardo para as relações sexuais e masturbação é de 15 dias.

 


• Após a Postectomia perde-se a sensibilidade do pênis?


Não, a sensibilidade do pênis permanece normal.

 


• Na Postectomia é preciso dar pontos? Quanto tempo depois posso retirar?


Sim, é preciso dar pontos após a Postectomia. Em média é preciso esperar 15 dias para caírem, caso isso não aconteça naturalmente, o paciente retorna a clínica para que o médico possa avaliar se já está cicatrizado e retirar os pontos.

 



• No caso, se realizar mais de um procedimento existe desconto?


Os valores para mais de um procedimento devem ser resolvidos diretamente com o especialista na consulta.

 



• Por que é preciso fazer a Postectomia (cirurgia da fimose) antes da Bioplastia Peniana?


Na maioria dos pacientes em que há o excesso de pele cobrindo a glande - cabeça do pênis, é necessário realizar a postectomia, a retirada da pele (fimose), para depois fazer a Plastia Peniana, porque o produto bioexpansor pode se acumular na região, causando uma reação indesejada.

 


• Qual a forma de pagamento?


As formas de pagamento podem ser resolvidos em consulta com o profissional.

 


 
• Qual o valor do procedimento?


O valor do procedimento tem que ser resolvido diretamente com o especialista na consulta

FOTOS E PREÇO

Considerando as resoluções abaixo do Conselho Federal de Medicina (CFM) e acreditando que o exercício pleno da profissão médica deve estar baseado nestes pilares éticos, não se deve expor fotos de pacientes antes e depois e valores financeiros de tratamentos.
 
Para sua análise segue a resolução do CFM sobre o assunto:
 

 

 

Norma: RESOLUÇÃO

Órgão: Conselho Federal de Medicina

 

Número: 1974

Data Emissão: 14-07-2011

 

Ementa: Estabelece os critérios norteadores da propaganda em Medicina, conceituando os anúncios, a divulgação de assuntos médicos, o sensacionalismo, a autopromoção e as proibições referentes à matéria.

Fonte de Publicação: Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 19 ago. 2011. Seção I, p.241-244

 

 


CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.974, DE 14 DE JULHO DE 2011
Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 19 ago. 2011. Seção I, p.241-244
ENTRA EM VIGOR A PARTIR DE 14-02-2012 - (VIDE ART.16)
REVOGA A PARTIR DE 14-02-2012 A RESOLUÇÃO CFM Nº 1.701, DE 25-09-2003

Estabelece os critérios norteadores da propaganda em Medicina, conceituando os anúncios, a divulgação de assuntos médicos, o sensacionalismo, a autopromoção e as proibições referentes à matéria.

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, no uso das atribuições conferidas pela Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957, regulamentada pelo Decreto nº 44.045, de 19 de julho de 1958, e pela Lei nº 11.000, de 15 de dezembro de 2004, e,

CONSIDERANDO que cabe ao Conselho Federal de Medicina trabalhar por todos os meios ao seu alcance e zelar pelo perfeito desempenho ético da Medicina e pelo prestígio e bom conceito da profissão e dos que a exercem legalmente;

CONSIDERANDO a necessidade de uniformizar e atualizar os procedimentos para a divulgação de assuntos médicos em todo o território nacional;

CONSIDERANDO a necessidade de solucionar os problemas que envolvem a divulgação de assuntos médicos, com vistas ao esclarecimento da opinião pública;

CONSIDERANDO que os anúncios médicos deverão obedecer à legislação vigente;

CONSIDERANDO o Decreto-lei nº 20.931/32, o Decreto-lei nº 4.113/42, o disposto no Código de Ética Médica e, notadamente, o art. 20 da Lei nº 3.268/57, que determina: "Todo aquele que mediante anúncios, placas, cartões ou outros meios quaisquer se propuser ao exercício da medicina, em qualquer dos ramos ou especialidades, fica sujeito às penalidades aplicáveis ao exercício ilegal da profissão, se não estiver devidamente registrado".

CONSIDERANDO que a publicidade médica deve obedecer exclusivamente a princípios éticos de orientação educativa, não sendo comparável à publicidade de produtos e práticas meramente comerciais (Capítulo XIII, artigos 111 a 118 do Código de Ética Médica);

CONSIDERANDO que o atendimento a esses princípios é inquestionável pré-requisito para o estabelecimento de regras éticas de concorrência entre médicos, serviços, clínicas, hospitais e demais empresas registradas nos Conselhos Regionais de Medicina;

CONSIDERANDO ainda que os entes sindicais e associativos médicos estão sujeitos a este mesmo regramento quando da veiculação de publicidade ou propaganda;

CONSIDERANDO as diversas resoluções sobre o tema editadas por todos os Conselhos Regionais de Medicina;

CONSIDERANDO, finalmente, o decidido na sessão plenária de 14 de julho de 2011, resolve:

Art. 1º Entender-se-á por anúncio, publicidade ou propaganda a comunicação ao público, por qualquer meio de divulgação, de atividade profissional de iniciativa, participação e/ou anuência do médico.

Art. 2º Os anúncios médicos deverão conter, obrigatoriamente, os seguintes dados:

a) Nome do profissional;

b) Especialidade e/ou área de atuação, quando registrada no Conselho Regional de Medicina;

c) Número da inscrição no Conselho Regional de Medicina;

d) Número de registro de qualificação de especialista (RQE), se o for.

Parágrafo único. As demais indicações dos anúncios deverão se limitar ao preceituado na legislação em vigor.

Art. 3º É vedado ao médico:

a) Anunciar, quando não especialista, que trata de sistemas orgânicos, órgãos ou doenças específicas, por induzir a confusão com divulgação de especialidade;

b) Anunciar aparelhagem de forma a lhe atribuir capacidade privilegiada;

c) Participar de anúncios de empresas ou produtos ligados à Medicina, dispositivo este que alcança, inclusive, as entidades sindicais ou associativas médicas;

d) Permitir que seu nome seja incluído em propaganda enganosa de qualquer natureza;

e) Permitir que seu nome circule em qualquer mídia, inclusive na internet, em matérias desprovidas de rigor científico;

f)Fazer propaganda de método ou técnica não aceito pela comunidade científica;

g) Expor a figura de seu paciente como forma de divulgar técnica, método ou resultado de tratamento, ainda que com autorização expressa do mesmo, ressalvado o disposto no art. 10 desta resolução;

h) Anunciar a utilização de técnicas exclusivas;

i) Oferecer seus serviços por meio de consórcio e similares;

j) Oferecer consultoria a pacientes e familiares como substituição da consulta médica presencial;

k) Garantir, prometer ou insinuar bons resultados do tratamento.

l) Fica expressamente vetado o anúncio de pós-graduação realizada para a capacitação pedagógica em especialidades médicas e suas áreas de atuação, mesmo que em instituições oficiais ou por estas credenciadas, exceto quando estiver relacionado à especialidade e área de atuação registrada no Conselho de Medicina.

Art. 4º Sempre que em dúvida, o médico deverá consultar a Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame) dos Conselhos Regionais de Medicina, visando enquadrar o anúncio aos dispositivos legais e éticos.

Parágrafo único. Pode também anunciar os cursos e atualizações realizados, desde que relacionados à sua especialidade ou área de atuação devidamente registrada no Conselho Regional de Medicina.

Art. 5º Nos anúncios de clínicas, hospitais, casas de saúde, entidades de prestação de assistência médica e outras instituições de saúde deverão constar, sempre, o nome do diretor técnico médico e sua correspondente inscrição no Conselho Regional em cuja jurisdição se localize o estabelecimento de saúde.

§ 1º Pelos anúncios dos estabelecimentos de hospitalização e assistência médica, planos de saúde, seguradoras e afins respondem, perante o Conselho Regional de Medicina, os seus diretores técnicos médicos.

§ 2º Os diretores técnicos médicos, os chefes de clínica e os médicos em geral estão obrigados a adotar, para cumprir o mandamento do caput, as regras contidas no Manual da Codame, anexo.

Art. 6º Nas placas internas ou externas, as indicações deverão se limitar ao previsto no art. 2º e seu parágrafo único.

Art. 7º Caso o médico não concorde com o teor das declarações a si atribuídas em matéria jornalística, as quais firam os ditames desta resolução, deve encaminhar ofício retificador ao órgão de imprensa que a divulgou e ao Conselho Regional de Medicina, sem prejuízo de futuras apurações de responsabilidade.

Art. 8º O médico pode, utilizando qualquer meio de divulgação leiga, prestar informações, dar entrevistas e publicar artigos versando sobre assuntos médicos de fins estritamente educativos.

Art. 9º Por ocasião das entrevistas, comunicações, publicações de artigos e informações ao público, o médico deve evitar sua autopromoção e sensacionalismo, preservando, sempre, o decoro da profissão.

§ 1º Entende-se por autopromoção a utilização de entrevistas, informações ao público e publicações de artigos com forma ou intenção de:

a) Angariar clientela;

b) Fazer concorrência desleal;

c) Pleitear exclusividade de métodos diagnósticos e terapêuticos;

d) Auferir lucros de qualquer espécie;

e) Permitir a divulgação de endereço e telefone de consultório, clínica ou serviço.

§ 2º Entende-se por sensacionalismo:

a) A divulgação publicitária, mesmo de procedimentos consagrados, feita de maneira exagerada e fugindo de conceitos técnicos, para individualizar e priorizar sua atuação ou a instituição onde atua ou tem interesse pessoal;

b) Utilização da mídia, pelo médico, para divulgar métodos e meios que não tenham reconhecimento científico;

c) A adulteração de dados estatísticos visando beneficiar-se individualmente ou à instituição que representa, integra ou o financia;

d) A apresentação, em público, de técnicas e métodos científicos que devem limitar-se ao ambiente médico;

e) A veiculação pública de informações que possam causar intranquilidade, pânico ou medo à sociedade;

f) Usar de forma abusiva, enganosa ou sedutora representações visuais e informações que possam induzir a promessas de resultados.

Art. 10 Nos trabalhos e eventos científicos em que a exposição de figura de paciente for imprescindível, o médico deverá obter prévia autorização expressa do mesmo ou de seu representante legal.

Art. 11 Quando da emissão de documentos médicos, os mesmos devem ser elaborados de modo sóbrio, impessoal e verídico, preservando o segredo médico.

§ 1º Os documentos médicos poderão ser divulgados por intermédio do Conselho Regional de Medicina, quando o médico assim achar conveniente.

§ 2º Os documentos médicos, nos casos de pacientes internados em estabelecimentos de saúde, deverão, sempre, ser assinados  pelo médico assistente e subscritos pelo diretor técnico médico da instituição ou, em sua falta, por seu substituto.

Art. 12 O médico não deve permitir que seu nome seja incluído em concursos ou similares, cuja finalidade seja escolher o "médico do ano", "destaque", "melhor médico" ou outras denominações que visam ao objetivo promocional ou de propaganda, individual ou coletivo.

Art. 13 Os sites para assuntos médicos deverão obedecer à lei, às resoluções normativas e ao Manual da Codame.

Art. 14 Os Conselhos Regionais de Medicina manterão, conforme os seus Regimentos Internos, uma Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame) composta, minimamente, por três membros.

Art. 15 A Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos terá como finalidade:

a) Responder a consultas ao Conselho Regional de Medicina a respeito de publicidade de assuntos médicos;

b) Convocar os médicos e pessoas jurídicas para esclarecimentos quando tomar conhecimento de descumprimento das normas éticas regulamentadoras, anexas, sobre a matéria, devendo orientar a imediata suspensão do anúncio;

c) Propor instauração de sindicância nos casos de inequívoco potencial de infração ao Código de Ética Médica;

d) Rastrear anúncios divulgados em qualquer mídia, inclusive na internet, adotando as medidas cabíveis sempre que houver desobediência a esta resolução;

e) Providenciar para que a matéria relativa a assunto médico, divulgado pela imprensa leiga, não ultrapasse, em sua tramitação na comissão, o prazo de 60 (sessenta) dias.

Art. 16 A presente resolução e o Manual da Codame entrarão em vigor no prazo de 180 dias, a partir de sua publicação, quando será revogada a Resolução CFM nº 1.701/03, publicada no DOU nº 187, seção I, páginas 171-172, em 26 de setembro de 2003 e demais disposições em contrário.

ROBERTO LUIZ D'AVILA
Presidente do Conselho

HENRIQUE BATISTA E SILVA
Secretário-Geral

ANEXO I

CRITÉRIOS GERAIS DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

DE PROFISSIONAL INDIVIDUAL

A propaganda ou publicidade médica deve cumprir os seguintes requisitos gerais, sem prejuízo do que, particularmente, se estabeleça para determinadas situações, sendo exigido constar as seguintes informações em todas as peças publicitárias e papelaria produzidas pelo estabelecimento:

I - nome completo do médico;

II - registro do médico junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM), contemplando a numeração e o estado relativo;

III - nome da(s) especialidade(s) para a(s) qual(is) o médico se encontra formalmente habilitado (no máximo duas), se considerado pertinente;

IV - o número de registro de qualificação de especialista (RQE), se o for.

DE EMPRESA/ESTABELECIMENTO DE SERVIÇOS MÉDICOS PARTICULARES

A propaganda ou publicidade médica deve cumprir os seguintes requisitos gerais, sem prejuízo do que, particularmente, se estabeleça para determinadas situações, sendo exigido constar as seguintes informações em todas as peças publicitárias e papelaria produzidas pelo estabelecimento:

I - nome completo do médico no cargo de diretor técnico médico;

II - registro do profissional junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM), contemplando a numeração e o estado relativo;

III - nome do cargo para o qual o médico está oficialmente investido;

IV - o número de registro de qualificação de especialista (RQE), se o for.

DE SERVIÇOS MÉDICOS OFERECIDOS PELO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

A propaganda ou publicidade médica deve cumprir os seguintes requisitos gerais, sem prejuízo do que, particularmente, se estabeleça para determinadas situações, sendo exigido constar as seguintes informações em todas as peças publicitárias e papelaria produzidas pelo estabelecimento:

I - nome completo do médico no cargo de diretor técnico médico da unidade mencionada;

II - registro do médico junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM), contemplando a numeração e o estado relativo;

III - nome do cargo para o qual o médico está oficialmente investido;

IV - o número de registro de qualificação de especialista (RQE), se o for.

As especificações técnicas para a inserção dos dados supracitados nas peças publicitárias em todas as mídias e na papelaria produzida (individual ou institucional, no caso de serviços públicos ou privados de saúde) estarão detalhadas a seguir.

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS PARA ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS E DE PROPAGANDA

Nos anúncios veiculados pela mídia impressa (jornais, revistas, boletins etc.), em peças publicitárias (cartazes, folders, postais, folhetos, panfletos, outdoors, busdoors, frontlights, backlights, totens, banners etc.), e em peças de mobiliário urbano (letreiros, placas, instalações etc.) devem ser inseridos os dados de identificação do médico (se consultório particular) ou do diretor técnico médico (se estabelecimento/serviço de saúde) de forma a causar o mesmo impacto visual que as demais informações presentes na peça publicitária.

Contudo, devem ser observados os seguintes critérios:

I - os dados de identificação do médico (se consultório particular) ou do diretor-técnico médico (se estabelecimento/serviço de saúde) devem estar em local de destaque (ao lado da logomarca e das informações de identificação do estabelecimento/serviço de saúde), permitindo com facilidade sua leitura por observarem a perfeita legibilidade e visibilidade;

II - os dados devem ser apresentados em sentido de leitura da esquerda para a direita, sobre fundo neutro, sendo que a tipologia utilizada deverá apresentar dimensão equivalente a, no mínimo, 35% do tamanho do maior corpo empregado no referido anúncio ou peça;

III - nas peças, os dados do médico devem ser inseridos em retângulo de fundo branco, emoldurado por filete interno, em letras de cor preta ou que permita contraste adequado à leitura;

IV - é possível o uso de variações cromáticas na inserção dos dados, desde que mantidos os cuidados para a correta identificação dos mesmos, sem prejuízos de leitura ou visibilidade;

V - a versão monocromática só pode ser usada nos casos em que não haja opção para uso de mais de uma cor, optando-se pelo preto ou branco ou outra cor padrão predominante;

VI - as proporções dos dados inseridos devem ser observadas com critério para assegurar sua leitura e identificação, que são imprescindíveis ao trato ético em atividades relacionadas à publicidade, propaganda e divulgação médicas;

VII - para que outros elementos não se confundam com os dados de identificação do médico, os mesmos devem ser mantidos numa área, dentro da peça, que permita sua correta leitura e percepção. Deve-se observar o campo de proteção e reserva, conforme exemplificado ao lado;

VIII - utilizando como referência o espaço mantido entre a primeira e a segunda linha nas quais os dados foram inseridos ou entre a primeira e a segunda letra da primeira palavra, nenhum elemento gráfico ou de texto deve invadir essa área; e os dados devem ser mantidos no interior de uma área de respiro;

IX - para preservar a legibilidade dos dados do médico nos mais diversos meios de reprodução, deve-se observar a correta percepção dos mesmos com relação ao contraste de fundo sobre o qual estão aplicados. Sobre cores claras e/ou neutras, a versão preferencial mostra-se, em positivo, eficiente. Sobre cores escuras e/ou vívidas, optar pela versão em negativo dos dados. Sobre fundos ruidosos e imagens, usar a versão com módulo de proteção;

X - para aplicação dos dados sobre fundos em tons de cinza e preto, deve-se observar a escala ao lado. Até 30% de benday pode-se optar pela versão preferencial. A partir de 40%, pela versão em negativo do logotipo;

XI - a fim de preservar a boa leitura e visibilidade dos dados essenciais do médico, devem ser criteriosamente observadas sua integridade e consistência visual, evitando-se alterações ou interferências que gerem confusão ou visualização e/ou compreensão inadequadas;

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS PARA MATERIAL IMPRESSO DE CARÁTER INSTITUCIONAL (RECEITUÁRIOS, FORMULÁRIOS, GUIAS, ETC)

Em material impresso, de caráter institucional, usado para encaminhamentos clínicos ou administrativos, devem ser observados os seguintes critérios:

I - os dados de identificação do diretor técnico médico (se estabelecimento/serviço de saúde) devem constar em local de destaque na peça;

II - os dados devem vir ao lado ou abaixo da logomarca e das informações de identificação do estabelecimento/serviço de saúde, permitindo com facilidade sua leitura por observarem perfeita legibilidade e visibilidade;

III - os dados devem ser apresentados no sentido de leitura da esquerda para a direita, sobre fundo neutro, sendo que a tipologia utilizada deverá apresentar dimensão equivalente a, no mínimo, 35% do tamanho do maior corpo empregado no referido anúncio;

IV - nas peças, os dados do médico devem ser inseridos em retângulo de fundo branco, emoldurado por filete interno, em letras de cor preta ou que permita contraste adequado à leitura;

V - no caso dos estabelecimentos/serviços de saúde, a inclusão dos dados do diretor técnico médico não elimina a necessidade de citar em campo específico o nome e CRM do médico responsável pelo atendimento direto do paciente. Tal inclusão deve ocupar espaço de destaque no formulário e também observar critérios de visibilidade e legibilidade;

VI - os dados não necessariamente necessitam estar impressos, mas podem ser disponíveis por meio de carimbos.

VII - é possível o uso de variações cromáticas na inserção dos dados, desde que mantidos os cuidados para a correta identificação dos mesmos, sem prejuízos de leitura ou visibilidade.

VIII - a versão monocromática só pode ser usada em casos onde não haja opção para uso de mais de uma cor, optando-se pelo preto ou branco ou outra cor padrão predominante.

IX - as proporções dos dados inseridos devem ser observadas com critério para assegurar sua leitura e identificação, imprescindíveis ao trato ético em atividades relacionadas à publicidade, propaganda e divulgação médicas.

X - para que outros elementos não se confundam com os dados de identificação do médico, os mesmos devem ser mantidos numa área, dentro da peça, que permita sua correta leitura e percepção.

Deve-se observar o campo de proteção e reserva, conforme exemplificado ao lado.

XI - utilizando como referência o espaço mantido entre a primeira e a segunda linha nas quais os dados foram inseridos ou entre a primeira e a segunda letra da primeira palavra, nenhum elemento gráfico ou de texto deve invadir essa área; e os dados devem ser mantidos no interior de uma área de respiro.

XII - para preservar a legibilidade dos dados do médico nos mais diversos meios de reprodução, deve-se observar a correta percepção dos mesmos com relação ao contraste de fundo sobre o qual estão aplicados. Sobre cores claras e/ou neutras, a versão preferencial mostra-se, em positivo, eficiente. Sobre cores escuras e/ou vívidas, optar pela versão em negativo dos dados. Sobre fundos ruidosos e imagens, usar a versão com módulo de proteção.

XIII - para aplicação dos dados sobre fundos em tons de cinza e preto, deve-se observar a escala ao lado. Até 30% de benday pode-se optar pela versão preferencial. A partir de 40%, pela versão em negativo do logotipo.

XIV - a fim de preservar a boa leitura e visibilidade dos dados essenciais do profissional, devem ser criteriosamente observadas sua integridade e consistência visual, evitando-se alterações ou interferências que gerem confusão ou visualização e/ou compreensão inadequadas.

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS PARA PUBLICIDADE E PROPAGANDA EM TV, RÁDIO E INTERNET

Nos anúncios veiculados por emissoras de rádio, TV e internet, a empresa responsável pelo veículo de comunicação, a partir da venda do espaço promocional, deve disponibilizar, à sociedade, as informações pertinentes ao médico e/ou diretor técnico médico, em se tratando de estabelecimento ou serviço de saúde;

A menção aos dados de identificação do médico/diretor técnico médico deve ser contextualizada na peça publicitária, de maneira que seja pronunciada pelo personagem/locutor principal; e quando veiculada no rádio ou na televisão, proferida pelo mesmo personagem/locutor.

Nos casos de mídia televisiva, radiofônica ou auditiva, a locução dos dados do médico deve ser cadenciada, pausada e perfeitamente audível.

Em peça veiculada pela televisão ou em formato de vídeo (mesmo que sobre plataforma on-line), devem ser observados os seguintes critérios:

I - após o término da mensagem publicitária, a identificação dos dados médicos (se consultório privado) ou do diretor técnico médico (se estabelecimento/serviço de saúde) devem ser exibidos em cartela única, com fundo azul, em letras brancas, de forma a permitir a perfeita legibilidade e visibilidade, permanecendo imóvel no vídeo, sendo que na mesma peça devem constar os dados de identificação da unidade de saúde em questão, quando for o caso.

II - a cartela obedecerá ao gabarito RTV de filmagem no tamanho padrão de 36,5cmx27cm (trinta e seis e meio centímetros por vinte e sete centímetros);

III - as letras apostas na cartela serão da família tipográfica Humanist 777 Bold ou Frutiger 55 Bold, corpo 38, caixa alta.

Nas peças exibidas pela internet, os dados do médico ou do diretor técnico médico devem ser exibidos permanentemente e de forma visível, inseridos em retângulo de fundo branco, emoldurado por filete interno, em letras de cor preta, padrão Humanist 777 Bold ou Frutiger 55 Bold, caixa alta, respeitando a proporção de dois décimos do total do espaço da propaganda.

CRITÉRIOS PARA A RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A IMPRENSA (PROGRAMAS DE TV E RÁDIO, JORNAIS, REVISTAS), NO USO DAS REDES SOCIAIS E NA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS (CONGRESSOS, CONFERÊNCIAS, FÓRUNS, SEMINÁRIOS ETC)

A participação do médico na divulgação de assuntos médicos, em qualquer meio de comunicação de massa, deve se pautar pelo caráter exclusivo de esclarecimento e educação da sociedade, não cabendo ao mesmo agir de forma a estimular o sensacionalismo, a autopromoção ou a promoção de outro(s), sempre assegurando a divulgação de conteúdo cientificamente comprovado, válido, pertinente e de interesse público.

Ao conceder entrevistas, repassar informações à sociedade ou participar de eventos públicos, o médico deve anunciar de imediato possíveis conflitos de interesse que, porventura, possam comprometer o entendimento de suas colocações, vindo a causar distorções com graves consequências para a saúde individual ou coletiva.

Nestas participações, o médico deve ser identificado com nome completo, registro profissional e a especialidade junto ao Conselho Regional de Medicina, bem como cargo, se diretor técnico médico responsável pelo estabelecimento.

Em suas aparições o médico deve primar pela correção ética nas relações de trabalho, sendo recomendado que não busque a conquista de novos clientes, a obtenção de lucros de qualquer espécie, o estimulo à concorrência desleal ou o pleito à exclusividade de métodos  diagnósticos e terapêuticos. Essas ações não são toleradas, quer em proveito próprio ou de outro(s).

É vedado ao médico, na relação com a imprensa, na participação em eventos e no uso das redes sociais:

a)divulgar endereço e telefone de consultório, clínica ou serviço;

b)se identificar inadequadamente, quando nas entrevistas;

c)realizar divulgação publicitária, mesmo de procedimentos consagrados, de maneira exagerada e fugindo de conceitos técnicos, para individualizar e priorizar sua atuação ou a instituição onde atua ou tem interesse pessoal;

d)divulgar especialidade ou área de atuação não reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina ou pela Comissão Mista de Especialidades;

e)anunciar títulos científicos que não possa comprovar e especialidade ou área de atuação para a qual não esteja qualificado e registrado no Conselho Regional de Medicina;

f)anunciar, quando não especialista, que trata de sistemas orgânicos, órgãos ou doenças específicas, com indução à confusão com divulgação de especialidade;

g)utilizar sua profissão e o reconhecimento ético, humano, técnico, político e científico que esta lhe traz para participar de anúncios institucionais ou empresariais, salvo quando esta participação for de interesse público;

h)adulterar dados estatísticos visando beneficiar-se individualmente ou à instituição que representa, integra ou o financia;

i)veicular publicamente informações que causem intranquilidade à sociedade, mesmo que comprovadas cientificamente. Nestes casos, deve protocolar em caráter de urgência o motivo de sua preocupação às autoridades competentes e aos Conselhos Federal ou Regional de Medicina de seu estado para os devidos encaminhamentos;

j)divulgar, fora do meio científico, processo de tratamento ou descoberta cujo valor ainda não esteja expressamente reconhecido cientificamente por órgão competente;

k)garantir, prometer ou insinuar bons resultados de tratamento sem comprovação científica;

l)anunciar aparelhagem ou utilização de técnicas exclusivas como forma de se atribuir capacidade privilegiada;

m)divulgar anúncios profissionais, institucionais ou empresariais de qualquer ordem e em qualquer meio de comunicação nos quais, se o nome do médico for citado, não esteja presente o número de inscrição no Conselho Regional de Medicina (observando as regras de formato constantes deste documento). Nos casos em que o profissional ocupe o cargo de diretor técnico médico, o exercício da função deve ser explicitado;

n)consultar, diagnosticar ou prescrever por qualquer meio de comunicação de massa ou a distância;

o)expor a figura de paciente como forma de divulgar técnica, método ou resultado de tratamento;

p)realizar e/ou participar de demonstrações técnicas de procedimentos, tratamentos e equipamentos de forma a valorizar domínio do seu uso ou estimular a procura por determinado serviço, em qualquer meio de divulgação, inclusive em entrevistas. As demonstrações e orientações devem acontecer apenas a título de exemplo de medidas de prevenção em saúde ou de promoção de hábitos saudáveis, com o intuito de esclarecimento do cidadão e de utilidade pública;

q)ofertar serviços por meio de consórcios ou similares, bem como de formas de pagamento ou de uso de cartões/cupons de desconto.

DAS PROIBIÇÕES GERAIS

De modo geral, na propaganda ou publicidade de serviços médicos e na exposição na imprensa ao médico ou aos serviços médicos é vedado:

I - usar expressões tais como "o melhor", "o mais eficiente", "o único capacitado", "resultado garantido" ou outras com o mesmo sentido;

II - sugerir que o serviço médico ou o médico citado é o único capaz de proporcionar o tratamento para o problema de saúde;

III - assegurar ao paciente ou a seus familiares a garantia de resultados;

IV - apresentar nome, imagem e/ou voz de pessoa leiga em medicina, cujas características sejam facilmente reconhecidas pelo público em razão de sua celebridade, afirmando ou sugerindo que ela utiliza os serviços do médico ou do estabelecimento de saúde ou recomendando seu uso;

IV - sugerir diagnósticos ou tratamentos de forma genérica, sem realizar consulta clínica individualizada e com base em parâmetros da ética médica e profissional;

V - usar linguagem direta ou indireta relacionando a realização de consulta ou de tratamento à melhora do desempenho físico, intelectual, emocional, sexual ou à beleza de uma pessoa;

VI - apresentar de forma abusiva, enganosa ou assustadora representações visuais das alterações do corpo humano causadas por doenças ou lesões; todo uso de imagem deve enfatizar apenas a assistência;

VIII - incluir mensagens, símbolos e imagens de qualquer natureza dirigidas a crianças ou adolescentes, conforme classificação do Estatuto da Criança e do Adolescente;

IX - fazer uso de peças de propaganda e/ou publicidade médica - independentemente da mídia utilizada para sua veiculação - nas quais se apresentem designações, símbolos, figuras, desenhos, imagens, slogans e quaisquer argumentos que sugiram garantia de resultados e percepção de êxito/sucesso pessoal do paciente atreladas ao uso dos serviços de determinado médico ou unidade de saúde;

X - fazer afirmações e citações ou exibir tabelas e ilustrações relacionadas a informações científicas que não tenham sido extraídas ou baseadas em estudos clínicos, veiculados em publicações científicas, preferencialmente com níveis de evidência I ou II;

XI - utilizar gráficos, quadros, tabelas e ilustrações para transmitir informações que não estejam assim representadas nos estudos científicos e não expressem com rigor sua veracidade;

XII - adotar gráficos, tabelas e ilustrações que não sejam verdadeiros, exatos, completos, não tendenciosos, e apresentá-los de forma a possibilitar o erro ou confusão ou induzir ao autodiagnóstico ou à autoprescrição;

XIII - anunciar especialidades para as quais não possui título certificado ou informar posse de equipamentos, conhecimentos, técnicas ou procedimentos terapêuticos que induzam à percepção de diferenciação;

XIV - divulgar preços de procedimentos, modalidades aceitas de pagamento/parcelamento ou eventuais concessões de descontos como forma de estabelecer diferencial na qualidade dos serviços;

XV - não declarar possível conflito de interesse ao se apresentar como palestrante/expositor em quaisquer eventos (simpósios, congressos, reuniões, conferências e assemelhados, públicos ou privados), sendo obrigatório explicitar o recebimento de patrocínios/subvenções de empresas ou governos, sejam parciais ou totais;

XVI - não informar potencial conflito de interesses aos organizadores dos congressos, com a devida indicação na programação oficial do evento e no início de sua palestra, bem como nos anais, quando estes existirem, no caso de médicos palestrantes de qualquer sessão científica que estabeleçam relações com laboratórios farmacêuticos ou tenham qualquer outro interesse financeiro ou comercial;

XVII - participar de campanha social sem ter como único objetivo informar ações de responsabilidade social do profissional ou do estabelecimento de saúde, não podendo haver menção a especialidades ou outras características próprias dos serviços pelos quais são conhecidos;

XVIII - fazer referência a ações ou campanhas de responsabilidade sociais às quais estão vinculados ou são apoiadores em peças de propaganda ou publicidade de médicos ou estabelecimentos de saúde.

Com relação ao uso da publicidade e propaganda, em diferentes mídias, estão disponíveis no Anexo 3 desta resolução os modelos que permitem a visualização do resultado decorrente da implementação de tais critérios, ressaltando-se, contudo, que os mesmos são apenas orientações e sugestões de adequação à norma. Os modelos mencionados, no Anexo 3, encontram-se disponíveis para consulta no sitio do Conselho Federal de Medicina: http://www.portalmedico.org.br/.

Fica estabelecido o prazo de 180 (cento e oitenta) dias, a contar da data de publicação deste regulamento, para que os médicos e empresas de serviços médicos se adéquem às suas disposições a respeito de propaganda, publicidade, informação e outras práticas cujo objetivo seja a divulgação ou promoção de atividades.

ANEXO II

Lista de documentos que devem observar os critérios explicitados nesta resolução:

Atestado

Atestado de amputação

Atestado médico

Atestado médico para licença-maternidade

Aviso de cirurgia

Aviso de óbito

Boletim de anestesia

Boletim de atendimento

Boletim de sala ? material e medicamentos de sala

Cartão da família

Cartão de agendamento

Cartão índice

Cartão saúde

Carteira da gestante

Declaração de comparecimento

Demonstrativo de atendimento

Ficha ambulatorial de procedimento (FAP)

Ficha clínica de pré-natal

Ficha de internação ou atendimento

Ficha de acompanhamento

Ficha de acompanhamento de pacientes para remoção

Ficha de acompanhamento do hipertenso e/ou diabético

Ficha de anamnese/exame físico

Ficha de anestesia

Ficha de arrolamento de valores/pertences - paciente

Ficha de assistência ao paciente no pré, trans e pós-operatório imediato

Ficha de atendimento

Ficha de atendimento - pré-natal

Ficha de atendimento diário - nível médio

Ficha de avaliação/triagem de enfermagem

Ficha de avaliação pré-anestésica

Ficha de cadastramento de paciente

Ficha de cadastro da família

Ficha de cadastro da gestante

Ficha de cadastro do hipertenso e/ou diabético

Ficha de cadastro para fornecimento de preservativos

Ficha de cadastro Programa Remédio em Casa

Ficha de cronograma de visita do agente comunitário de saúde (ACS)

Ficha de encaminhamento ao serviço social

Ficha de encaminhamento hospitalar

Ficha de evolução de morbidade

Ficha de evolução de paciente

Ficha de evolução médica

Ficha de evolução multidisciplinar para os demais profissionais

Ficha de exame colposcópico

Ficha de exame físico/evolução de enfermagem (clínica psiquiátrica)

Ficha de exames de emergência

Ficha de identificação de cadáver

Ficha de identificação do paciente

Ficha de identificação do recém-nascido

Ficha de notificação de casos suspeitos ou confirmados (sistema de informação para a vigilância de violências e acidentes - SIVVA)

Ficha de preparo de ultrassom - abdome superior / hipocôndrio direito / vias biliares

Ficha de preparo de ultrassom - vias urinárias / pélvico / próstata

Ficha de procedimento com registro BPA individualizado

Ficha de procedimento para realização de exames Papanicolau (PCG) e colposcopia

Ficha de recursos hospitalares em urgência/emergência

Ficha de referência/contrarreferência

Ficha de registro diário de atividades e procedimentos

Ficha de remoção domiciliar

Ficha de solicitação de antimicrobianos de uso controlado

Ficha para consolidação mensal de atividades, procedimentos e marcadores (auxiliar de enfermagem, ACS)

Ficha para registro de atividades educativas/práticas corporais/ oficinas/grupos terapêuticos

Ficha para registro diário de atividades, procedimentos e marcadores (médico, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, ACS)

Folha de enfermagem

Formulário da Comissão de Revisão de Óbito

Formulário de controle hídrico e TRP

Formulário de histórico de enfermagem

Formulário de prescrição

Formulário de prescrição médica

Formulário de solicitação de insumos

Guia de encaminhamento

Guia de encaminhamento de cadáver

Guia de internação hospitalar

Instrumento para classificação de paciente - adulto e pediátrico

Laudo médico para a emissão da AIH

Laudo médico para a emissão de APAC

Laudo para solicitação/autorização de procedimento ambulatorial

Prontuário

Receituário

Receituário de controle especial

Receituário médico

Relatório de cirurgia

Relatório de lâminas

Relatório de visitas domiciliares

Requisição de carro de cadáver

Requisição de exames

Requisição de serviços de diagnose e terapia

Resumo de alta hospitalar

Solicitação de exame de apoio diagnóstico

Solicitação de exames de imagem

Solicitação de exames de raios X

Solicitação de exames de ultrassonografia

Solicitação de procedimento especializado

Solicitação de transporte

Termo de autorização de internação

Termo de autorização para encaminhamento de membro

Termo de ciência e consentimento e responsabilização - procedimento

Termo de ciência e consentimento para procedimento anestésico

Termo de encaminhamento para alto risco

Termo final de utilização de prótese, órteses e outros pelas equipes médicas

 

 

Vide: Situaçao/Correlatas 

CORRELATA: Portaria MS/GM nº 2.859, de 29-12-2014 - Institui o incentivo financeiro de custeio mensal destinado aos Núcleos Intermunicipais e Estaduais de Telessaúde do Programa Nacional de Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, e dá outras providências.
CORRELATA: Portaria SMS.G nº 1.988, de 26-09-2014 - Institui o Programa Telessaúde São Paulo Redes e cria a Coordenação Municipal de Telessaúde e o Comitê Municipal de Telessaúde.
CORRELATA: Resolução CFM nº 2.074, de 30-05-2014 - Disciplina responsabilidades dos médicos e laboratórios de Patologia em relação aos procedimentos diagnósticos de Anatomia Patológica e estabelece normas técnicas para a conservação e transporte de material biológico em relação a esses procedimentos. Disciplina, também, as condutas médicas tomadas a partir de laudos citopatológicos positivos, bem como a auditoria médica desses exames.
CORRELATA: Resolução CFM n. 2.069, de 30-1-2014 - Padroniza a identificação dos médicos (em placas, impressos, batas ou vestimentas e/ou crachás) nos estabelecimentos de assistência médica ou de hospitalização (serviços de saúde), públicos e privados, em todo o território nacional.
CORRELATA: Resolução CFM nº 2.056, de 20-09-2013 - Disciplina os departamentos de Fiscalização nos Conselhos Regionais de Medicina, estabelece critérios para a autorização de funcionamento dos serviços médicos de quaisquer naturezas, bem como estabelece critérios mínimos para seu funcionamento, vedando o funcionamento daqueles que não estejam de acordo com os mesmos. Trata também dos roteiros de anamnese a serem adotados em todo o Brasil, inclusive nos estabelecimentos de ensino médico, bem como os roteiros para perícias médicas e a organização do prontuário de pacientes assistidos em ambientes de trabalho dos médicos.
CORRELATA: Resolução CFM nº 1.939, de 14-01-2010 - Proíbe a participação do médico em promoções relacionadas com o fornecimento de cupons, cartões de descontos e demais documentos previstos nesta resolução para a aquisição de medicamentos, e dá outras providências.
CORRELATA: Instrução Normativa ANVISA nº 5, de 20-05-2009 - Altera a Resolução ANVISA/DC nº 96, de 18 de dezembro de 2008, que dispõe sobre a propaganda, publicidade, informação e outras práticas cujo objetivo seja a divulgação ou promoção comercial de medicamentos.
CORRELATA: Portaria SMS-SP nº 709, de 25-04-2009 - Dispõe sobre a proteção aos dados existentes nos sistemas de informação no âmbito da Secretaria Municipal da Saúde.
CORRELATA: Resolução ANVISA nº 96, de 17-12-2008 - Dispõe sobre a propaganda, publicidade, informação e outras práticas cujo objetivo seja a divulgação ou promoção comercial de medicamentos.
CORRELATA: Resolução CFM nº 1.836, de 22-02-2008 - É vedado ao médico vínculo de qualquer natureza com empresas que anunciem e/ou comercializem planos de financiamento ou consórcios para procedimentos médicos.
CORRELATA: Portaria CS/SMSP/GS nº 12, de 19-03-2007 - Considera "anúncio indicativo" qualquer veículo de comunicação visual presente na paisagem visível do logradouro público, composto de área de exposição e estrutura, que visa apenas identificar, no próprio local da atividade, os estabelecimentos e/ou profissionais que dele fazem uso.
CORRELATA: Decreto Municipal nº 47.950, de 05-12-2006 - Regulamenta a Lei nº 14.223, de 26 de setembro de 2006, que dispõe sobre ordenação dos elementos que compõe a paisagem urbana do Município de São Paulo.
CORRELATA: Lei Municipal nº 14.223, de 26-09-2006 - Dispõe sobre ordenação dos elementos que compõe a paisagem urbana do Município de São Paulo.
CORRELATA: Portaria MS/GM nº 561, de 16-03-2006 - Institui no âmbito do Ministério da Saúde a Comissão Permantente de Telesaúde.
CORRELATA: Lei Federal nº 11.000, de 15-12-2004 - Altera dispositivos da Lei n. 3.268, de 30 de setembro de 1957, que dispõe sobre os Conselhos de Medicina, e dá outras providências.
CORRELATA: Resolução ANVISA/DC nº 199, de 17-08-2004 - Fica permitida às farmácias e drogarias a afixação dos preços dos medicamentos nos locais internos dos estabelecimentos, visíveis ao público em geral, bem como a sua divulgação por qualquer outro meio, desde que esta tenha por objetivo único garantir aos cidadãos acesso a informações de diferentes preços praticados.
REVOGA A PARTIR DE 14-02-2012 a Resolução CFM nº 1.701, de 25-09-2003 - Estabelece os critérios norteadores da propaganda em Medicina, conceituando os anúncios, a divulgação de assuntos médicos, o sensacionalismo, a autopromoção e as proibições referentes à matéria.
CORRELATA: Resolução CREMESP n. 97, de 20-02-2001 - Dispõe sobre idealização, criação, manutenção e atuação profissional em domínios, sites, páginas ou portais sobre medicina e saúde na Internet.
CORRELATA: Resolução CFM nº 1.595, de 18-05-2000 - Proíbe a vinculação da prescrição médica ao recebimento de vantagens materiais oferecidas por agentes econômicos interessados na produção ou comercialização de produtos farmacêuticos ou equipamentos de uso na área médica.
CORRELATA: Decreto Federal nº 44.045, de 19-07-1958 - Aprova o Regulamento do Conselho Federal e Conselhos Regionais de Medicina a que se refere a Lei nº 3.268, de 30 de setembro de 1957.
CORRELATA: Lei Federal nº 3.268, de 30-09-1957 - Dispõe sobre os Conselhos de Medicina, e dá outras providências.
CORRELATA: Decreto Federal nº 4.113, de 14-02-1942 - Regula a propaganda de médico, cirurgiões dentistas, parteiras, massagistas, enfermeiros, de casas de saúde e de estabelecimentos congêneres, e a de preparados farmacêuticos.
CORRELATA: Decreto Federal nº 20.931, de 11-01-1932 - Regula e fiscaliza o exercício da medicina, da odontologia, da medicina veterinária e das profissões de farmacêutico, parteira e enfermeira, no Brasil, e estabelece penas.

TAMANHO DO PÊNIS: MEDIDAS

 

 

  • Qual o tamanho médio do pênis do homem adulto brasileiro?

 

O tamanho médio do pênis do homem adulto é de 14,5 cm de comprimento em ereção ou esticado em flacidez.

 

 

  • O que é um micropênis?

 

Um micropênis é normalmente referido no contexto médico como uma condição de um pênis cujo comprimento quando esticado flácido é mais do que 2,5 desvios padrões abaixo do tamanho médio para a faixa etária, porém funcionante.

 

 

  • O que é um pênis pequeno? E um pênis considerado grande?

 

Micropênis

Quando não atinge 2,5 cm flácido ou 7,5 ereto

Pênis Pequeno

Entre 8 e 10 cm de comprimento e circunferência

Pênis Normal

Comprimento de 10 a 17 cm e circunferência de 10 a 12 cm

Pênis Grande

Comprimento de 18 a 23 cm e circunferência de 12 a 15 cm

Macropênis

Acima de 23 cm e circunferência maior que 15 cm