(11) 94570-7451 (11) 97367-7711 (11) 98592-6308

ARTIGOS E NOTÍCIAS

01/06/2015

Disfunção Erétil, Hipogonadismo (Falta de Testosterona), Diabetes Tipo 2

Disfunção Erétil, Hipogonadismo (Falta de Testosterona), Diabetes Tipo 2

Estudo de tratamento

A redução da testosterona e a diabetes tipo 2 são duas situações que implicam na perda da qualidade de vida sexual, seja pela redução da libido ou pela qualidade erétil. Além disto implicações em vários outros órgãos também ocorrem. Segundo os autores abaixo a reposição de testosterona vem melhorar e ajudar na qualidade erétil e na redução das complicações do diabetes tipo 2.
 
 
"Nos homens diabéticos tipo 2 com hipogonadismo, a terapia com testosterona a longo prazo melhora significativamente a função erétil, corrige anormalidades metabólicas, e muda a composição corporal, é o que sugerem dois estudos de longo prazo.


A testosterona é um hormônio não tóxico, disse Abdulmaged Traish, PhD, da Escola de Medicina da Universidade de Boston. "Como uma máquina fisiológica, o corpo humano tem uma fábrica chamada testículos que produzem testosterona ao longo da vida."


Quando os níveis da testosterona natural são repostos ao normal "há melhora na cognição, humor, energia e função sexual, reduz a gordura visceral e deposição de lipídios, acho que é absolutamente uma proteção para o risco cardiovascular", disse ao Medscape Medical News. "Isto é a história da terapia de reposição da testosterona e o que a pesquisa nos diz."


Dr. Traish apresentou resultados de um estudo da Associação Americana de Urologia (AUA) 2015 Reunião Anual, em Nova Orleans.


Os resultados de outros estudos foram apresentados por Aksam Yassin, MD, do Instituto de Urologia e Andrologia em Norderstedt-Hamburgo, Alemanha.


"Em homens com diabetes tipo 2, a disfunção erétil tem uma fisiopatologia multifatorial. No entanto, o hipogonadismo é uma questão importante e, mais cedo ou mais tarde, todos os outros homens com diabetes estão em risco para desenvolver a disfunção erétil",  Dr. Yassin disse ao Medscape Medical News."
 
 
Fonte: MedScape